Curiosidades

Postado em 30 de Julho de 2015 às 11h52

Três grupos de tratamentos dentários exigem anestesia geral

Arte e Face Novo Conteúdo 09 A odontologia evoluiu muito nos últimos anos. Um reflexo disso foi a grande mudança filosófica que houve na prática comum de tirar dentes e instalar dentaduras para a...

A odontologia evoluiu muito nos últimos anos. Um reflexo disso foi a grande mudança filosófica que houve na prática comum de tirar dentes e instalar dentaduras para a prevenção e a devolução de uma dentição funcionalmente ativa e segura, mesmo artificialmente. A maioria dos procedimentos na área da odontologia é feita na cadeira do dentista, sem a necessidade de anestesia ou sob anestesia local, com segurança e conforto ao paciente. Porém, “alguns procedimentos são mais complexos e exigem tratamentos no ambiente hospitalar sob anestesia geral”, esclarece o especialista em cirurgia e traumatologia bucomaxilofacial e mestre em lasers em odontologia, Silvio Mauro Gallon, da Clínica Arte e Face de Chapecó.

Gallon explica que a evolução nos tratamentos é amparada em grande parte pela medicina. Os medicamentos e as drogas anestésicas evoluíram, as visões mais apuradas das especialidades médicas passaram a enxergar a necessidade e a importância da avaliação de um cirurgião-dentista para a eficiência no tratamento. Paralelamente, os avanços tecnológicos, com a criação de equipamentos mais precisos e delicados, o diagnóstico por imagens, a possibilidade de controlar melhor os sinais vitais do paciente também contribuíram para a segurança dos procedimentos realizados, tornado-os menos agressivos e toleráveis pelo paciente.

GRUPOS DE TRATAMENTOS
Gallon observa que três grupos exigem tratamentos delicados, necessitando de anestesia geral. O primeiro deles inclui os pacientes, cujo porte do procedimento é muito grande para ser feito sob anestesia local e precisam ser realizados no ambiente hospitalar, onde o paciente será atendido com mais eficiência, numa estrutura adequada. Entre eles, estão os casos de fraturas da face, cirurgias corretivas das deformidades de face, grandes lesões da boca e da face, como tumores e cistos, e as grandes reconstruções maxilofaciais, como enxertos ósseos totais dos maxilares.

No segundo grupo estão os procedimentos possíveis de serem executados pelo dentista no consultório, porém, o paciente não se mostra capaz de tolerá-los ou aceitá-los. São geralmente crianças, pessoas
com deficiência e pessoas que têm fobia de dentista, que utilizam desse recurso para não vivenciarem a experiência do procedimento.

Em um terceiro grupo encontram-se as pessoas que toleram os procedimentos executáveis em consultório do ponto de vista psico-físico, mas sua saúde é muito frágil. Nestes casos, o ambiente hospitalar, com o auxílio do médico anestesista, passa a ser um critério absoluto de segurança à saúde geral do paciente.

De acordo com Gallon, a anestesia geral, como qualquer procedimento de saúde, tem seus riscos, mas é possível calculá-los com segurança e diminuí-los ao máximo. Para que o procedimento seja ainda mais seguro, são necessários avaliação prévia e exames complementares.

A prática moderna é mais adequada ao paciente, pois permite administrar as drogas necessárias e oferece monitorização em tempo real, possibilitando ao médico anestesista o controle de vários parâmetros do paciente ao mesmo tempo, como pressão arterial, batimentos cardíacos, aproveitamento do oxigênio, entre outros. “O dentista pode se concentrar no trabalho a ser executado, aumentando a tranquilidade e a segurança no procedimento”, avalia.

Certos processos nem requerem internação. O paciente fica no hospital apenas o tempo suficiente para recobrar a atenção normal e sentir-se bem. Quando necessário, pode permanecer internado até que esteja apto a receber alta hospitalar.

“A anestesia geral é uma importante especialidade médica que contribui muito com a odontologia, pois sem este processo muitos casos não poderiam ser tratados”, finaliza.

Veja também

Implantes Odontológicos27/07/15 O que são implantes osseo integrados?   São uma nova geração de implantes, introduzidos a partir da década de 60, mas que só agora atingem um grau de aceitabilidade pela comunidade científica internacional. São, normalmente, parafusos de titânio introduzidos cirurgicamente nas áreas desdentadas e, sobre eles, são instalados......
Não sofra de problemas da ATM27/07/15 OS PROBLEMAS DE ARTICULAÇÃO DA BOCA TÊM TRATAMENTO Aproximadamente um terço das pessoas sofrem de distúrbios da articulação da boca e a maioria não sabe que todos podem ter seu sofrimento amenizado e......

Voltar para Curiosidades