Curiosidades

Postado em 30 de Julho de 2015 às 11h52

Três grupos de tratamentos dentários exigem anestesia geral

Arte e Face Novo Conteúdo 09 A odontologia evoluiu muito nos últimos anos. Um reflexo disso foi a grande mudança filosófica que houve na prática comum de tirar dentes e instalar dentaduras para a...

A odontologia evoluiu muito nos últimos anos. Um reflexo disso foi a grande mudança filosófica que houve na prática comum de tirar dentes e instalar dentaduras para a prevenção e a devolução de uma dentição funcionalmente ativa e segura, mesmo artificialmente. A maioria dos procedimentos na área da odontologia é feita na cadeira do dentista, sem a necessidade de anestesia ou sob anestesia local, com segurança e conforto ao paciente. Porém, “alguns procedimentos são mais complexos e exigem tratamentos no ambiente hospitalar sob anestesia geral”, esclarece o especialista em cirurgia e traumatologia bucomaxilofacial e mestre em lasers em odontologia, Silvio Mauro Gallon, da Clínica Arte e Face de Chapecó.

Gallon explica que a evolução nos tratamentos é amparada em grande parte pela medicina. Os medicamentos e as drogas anestésicas evoluíram, as visões mais apuradas das especialidades médicas passaram a enxergar a necessidade e a importância da avaliação de um cirurgião-dentista para a eficiência no tratamento. Paralelamente, os avanços tecnológicos, com a criação de equipamentos mais precisos e delicados, o diagnóstico por imagens, a possibilidade de controlar melhor os sinais vitais do paciente também contribuíram para a segurança dos procedimentos realizados, tornado-os menos agressivos e toleráveis pelo paciente.

GRUPOS DE TRATAMENTOS
Gallon observa que três grupos exigem tratamentos delicados, necessitando de anestesia geral. O primeiro deles inclui os pacientes, cujo porte do procedimento é muito grande para ser feito sob anestesia local e precisam ser realizados no ambiente hospitalar, onde o paciente será atendido com mais eficiência, numa estrutura adequada. Entre eles, estão os casos de fraturas da face, cirurgias corretivas das deformidades de face, grandes lesões da boca e da face, como tumores e cistos, e as grandes reconstruções maxilofaciais, como enxertos ósseos totais dos maxilares.

No segundo grupo estão os procedimentos possíveis de serem executados pelo dentista no consultório, porém, o paciente não se mostra capaz de tolerá-los ou aceitá-los. São geralmente crianças, pessoas
com deficiência e pessoas que têm fobia de dentista, que utilizam desse recurso para não vivenciarem a experiência do procedimento.

Em um terceiro grupo encontram-se as pessoas que toleram os procedimentos executáveis em consultório do ponto de vista psico-físico, mas sua saúde é muito frágil. Nestes casos, o ambiente hospitalar, com o auxílio do médico anestesista, passa a ser um critério absoluto de segurança à saúde geral do paciente.

De acordo com Gallon, a anestesia geral, como qualquer procedimento de saúde, tem seus riscos, mas é possível calculá-los com segurança e diminuí-los ao máximo. Para que o procedimento seja ainda mais seguro, são necessários avaliação prévia e exames complementares.

A prática moderna é mais adequada ao paciente, pois permite administrar as drogas necessárias e oferece monitorização em tempo real, possibilitando ao médico anestesista o controle de vários parâmetros do paciente ao mesmo tempo, como pressão arterial, batimentos cardíacos, aproveitamento do oxigênio, entre outros. “O dentista pode se concentrar no trabalho a ser executado, aumentando a tranquilidade e a segurança no procedimento”, avalia.

Certos processos nem requerem internação. O paciente fica no hospital apenas o tempo suficiente para recobrar a atenção normal e sentir-se bem. Quando necessário, pode permanecer internado até que esteja apto a receber alta hospitalar.

“A anestesia geral é uma importante especialidade médica que contribui muito com a odontologia, pois sem este processo muitos casos não poderiam ser tratados”, finaliza.

Veja também

Bactérias da placa dental podem provocar coágulos sanguíneos27/07/15 Essa descoberta é da mais alta gravidade, pois atinge pessoas de todas as idades: bactérias bucais que entram na corrente sanguínea são capazes de causar coágulos sanguíneos e iniciar uma infecção do revestimento interno do coração. A conclusão é de pesquisadores do Colégio Real de Cirurgiões da Irlanda e da......
Diabetes afeta a saúde da boca29/07/15 Poucas pessoas sabem, mas existe uma ligação entre as doenças gengivais e diabetes. Pesquisas sugerem que pessoas com diabetes têm alto risco de adquirirem problemas bucais, como gengivite (um estágio inicial de doença......
Aparelho dentário ou cirurgia?27/07/15 Cada vez mais as pessoas se preocupam com a aparência, especialmente com o sorriso. Mas, muitas vezes, para alcançar um sorriso bonito e saudável, é preciso passar por alguns procedimentos. Um deles é o uso de aparelho......

Voltar para Curiosidades